Quem eu sou

Minha foto
Patos, Paraíba, Brazil
A Juventude Missionária se dá a conhecer como um grupo voluntário com uma proposta de evangelização a serviço da Igreja Católica. Não é um movimento nem uma pastoral; é um grupo de jovens missionários ligados à POM (Pontifícias Obras Missionárias). Nosso objetivo principal é unir-nos ao mandado de Jesus Cristo: "Ide pelo mundo e pregai o evangelho!" (Mc 16, 15). Nosso trabalho se realiza, basicamente, através da organização de Missões de evangelização rurais e urbanas e outras atividades de formação, defesa da fé e promoção das devoções e tradições populares. A JM busca despertar na juventude de hoje o desejo e a consciência da necessidade de ser um orientador aos irmãos na fé, de ser transmissor da mensagem de Cristo, de fundamentar sua fé e sua confiança na doutrina da Igreja e de ser um jovem reflexivo, com rica vida de oração. Trata-se de uma grande oportunidade para jovens que desejam fazer algo a mais pela Igreja e trabalhar a serviço dos mais necessitados. Jovens que queiram vivenciar este carisma devem ter idade entre 15 e 30.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

João de Deus: exemplo para todos nós



             Nessa nova caminhada que se inicia na JM, é necessária uma vivência espiritual, consolidadora e eficaz, que faça com que cada um de nós encontre um verdadeiro propósito. E exemplos para nos ajudar sempre germinam e germinarão nesse maravilhoso solo de fraternidade e comunhão com o Espírito Santo, que é a Igreja. Faremos apenas uma rápida reflexão, escolhendo um modelo marcante de fortaleza construída na fé, ele o inesquecível João Paulo II.
            Karol Wojtyla ou simplesmente João Paulo II, quando jovem possuía inúmeros sonhos, Karol queria ser ator e, segundo relatos tinha muito talentos para isso. Entretanto assim como Pedro, quando lançava sua rede ao mar e recebeu um convite inesperado, Karol também seria surpreendido por Jesus e convidado aceitaria sua missão. Karol, ainda jovem não sentiu medo, apesar da Igreja não viver um bom momento, pois, era criticada constantemente por causa de seus dogmas e tradições, Karol mostrou firmeza e mais adiante passaria esse legado para todos os jovens do mundo.
            Foram quase três décadas à frente da Igreja, marcada com atividades vigorosas e ao mesmo tempo corajosas. Quem teria ousadia de criticar abertamente a truculência dos líderes do comunismo em plena guerra fria? João Paulo II teve. E teve mais, teve a dignidade e a humildade de pedir perdão, em nome de todos os católicos, por todas as injustiças cometidas contra os não-católicos ao longo da história. Visitou mais de cento e vinte países por todo o mundo, pregando o evangelho do reino de Deus e levando palavras de conforto a quem precisava. O objetivo primordial de João Paulo II não era trazer o mundo para dentro da Igreja, mas levar a Igreja para o mundo.
            Porém, um episódio na vida de João Paulo II, talvez mereça nossa maior atenção, foi em maio de 1981, João Paulo II sofreu um atentado, levando dois tiros. Já ouvi algumas vezes, pessoas afirmando que Deus enviava nos  discursos de João Paulo II realizados na praça São Pedro, sinais que atestariam sua santidade, do tipo palavras magníficas, reunião de várias pessoas de nações diferentes, ou até pássaros que pousavam perto dele durante sua pregação. Todavia, que sinais são esse diante de um gesto concreto de tamanha misericórdia, quando João Paulo II perdoou o próprio homem que tentou assassiná-lo, segurando sua mão e mostrando toda sua compaixão para com ele. Verdadeiramente, Deus estava com ele, logo, através de tal acontecimento em troca ele revelava o céu à todos nós.
            Portanto, para nós João Paulo II deve ser sempre referência de baluarte de fé, amor e caridade. Afinal, ele vivenciou e tentou ser fiel durante toda sua vida as exigências do evangelho, foi jovem como nós cheio de sonhos e desejos de mudar o mundo, e soube que nessa referida etapa da vida a insegurança e a incerteza nos fazem titubear, por isso nos deu a ordem para não termos medo. Enfim, façamos do grito proferido pela multidão polonesa quando da visita de João Paulo II, o nosso anseio de vida também, eles gritavam: “querem Deus”.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Uma crítica para quem crítica


            O Brasil de hoje é um lugar globalizado no qual as notícias se expandem pelo país em minutos, notícias de todo lugar, sobre diversos assuntos e temas, juntos com essas notícias vem os comentários polêmicos, que são as críticas. Sempre velo pessoas e comentários criticando e me veio uma pergunta curiosa, “o crítico crítica, mas, quem crítica o crítico?”.
            Em geral, quando ouvimos falar em críticas, logo imaginamos algo negativo, com o intuito de degradar a quem se é criticado. Na realidade, segundo os livros de didática existem dois tipos de crítica, a crítica construtiva e a crítica destrutiva, na primeira visa apontar os erros ajudando a consertá-los e transformando-os em qualidades, e na segunda procura através de seus erros derrubar a quem está sendo criticado.
            Lamentavelmente, vemos a ausência da crítica construtiva nos dias de hoje, os comentários de rádio e televisão quando falam sobre algo polêmico sempre reclamam, muito do que esta acontecendo dificilmente citam possíveis soluções, alguns políticos em época de eleição sempre reclamam do partido adversário e dos erros que cometeram, e parecem nem lembrar de seus próprios erros.
            É curioso observar que é mais fácil apontar os erros dos outros do que os seus, o brasileiro está acostumado a reclamar e não faz nada em relação ao que está acontecendo, queremos tudo pronto sem nada fazer. Esse é um dos motivos que fazem o Brasil ser este país tão “decadente”.
            É de fundamental importância a consciência do brasileiro, que apenas reclamar não adianta, temos que contribuir para que as coisa aconteçam, ao em vez de criticar o outro temos que criticar a nós mesmo, fazendo uma auto-avaliação e consertar nossos próprios erros. Temos que trocar a crítica destrutiva pela construtiva, “se não queremos o mal para nós mesmo por que proporcionar isso ao próximo?”.
            Só iremos conquistar um Brasil de respeito, de soluções, de parcerias se cada um fizer sua parti, por menor que seja a crítica, use-a para ajudar e não para machucar e derrubar. É possível ter o Brasil assim, mas, para alcançar esse país, temos que mudar os brasileiros e não o Brasil.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Santa Teresinha do Menino Jesus


Proclamada principal padroeira das missões em 1927, padroeira secundária da França em 1944, e Doutora da Igreja, que nos ensina o caminho da santidade pela humildade em 1997, na data do seu centenário. "Não quero ser Santa pela metade, escolho tudo".

            Nasceu em Alénçon, Fraça, em 2 de janeiro de 1873, filha de Luiz Martin e Célia Guérin. Foi batizada em 4 de janeiro com o nome de Maria Francisca Teresa.
            Desde os dois anos, aprendeu a rezar e visitava a Igreja. Em suas visitas ao Santíssimo, dizia: “meu Deu, eu te amo, quero sempre amar-te por aqueles que não te amam, quero ser fiel e consolar-te pelas crianças que nunca pensam em Ti”. No dia de seu primeira comunhão disse ao Senhor com todo o seu coração e com muita segurança: “te amo e me entrego a Ti para sempre”.
            Sentiu amor e ternura pelos pobres. Semanalmente os atendia com amabilidade, atenção e partilhava com eles suas moedas.
            Desde menina quis ser missionária, comovida por uma figura do Senhor na cruz, que  vertia sangue de suas feridas e dizia “tenho sede”. Um dia escreveu sobre isto e disse: “o grito de Jesus na cruz, ‘tenho sede’, ressoava fortemente em meu coração. Aquelas palavras acendiam em mim um ardor muito vivo e desconhecido. Eu mesma me sentia devorada pela sede de almas”.
            Propôs-se converter um criminoso conhecido Pranzini, para o qual duplicou suas orações e sacrifícios. Aos nove anos, sentiu um chamado especial de Deus e quis consagrar-se a Ele, ingressando no convento das Irmãs  Carmelitas, em 9 de abril de 1888. Ali se entregou por completo ao amor de Deus na vida de oração e sacrifício até que morreu, sendo ainda muito jovem aos 24 anos, em 30 de setembro de 1897. Todo seu apoio e força ela buscava do amor de Deus: “meu caminho é todo de confiança e amor, Jesus... Ele me ajudará e me dará o que me falta”.
            A sua irmã, Paulina, também carmelita, publicou em1898 os escritos de Santa Teresinha, intitulados "História de uma alma". No dia 17 de maio de 1925, Teresinha foi canonizada pelo Papa Pio XI. O mesmo Papa a declara Patrona Universal das Missões Católicas em 1927. O Papa João Paulo II a declara Doutora da Igreja no dia 19 de outubro de 1997.
            Em carta tornada pública em 1 de outubro de 2007, o Papa Bento XVI recordou que "Teresa de Lisieux, sem haver saído de seu Carmelo, (...) viveu à sua maneira, um autêntico espírito missionário (...) oferecendo ao mundo uma nova via espiritual lhe obteve o título de Doutora da Igreja. Desde Pio XI até os nossos dias, os Papas não têm deixado de recordar os laços entre oração, caridade e ação na missão da Igreja."

sábado, 11 de setembro de 2010

São Francisco Xavier

Pioneiro e co-fundador da Comanhia de Jesus, a Igreja Católica Romana considera que tenha convertido mais pessoas ao Cristianismo do que qualquer outro missionário desde São Paulo, merecendo o epíteto de "Apóstolo do Oriente". É o padroeiros dos missionários, Padroeiro da Diocese de Registro(SP) e também um dos padroeiros da Diocese Macau.

                Batizado com o nome: Francisco de Xavier nasceu no Castelo de Xavier, Navarra, Espanha, em 7 de abril de 1506. Filho mais novo de Juan de Jassu (conselheiro da corte do Rei João III de Navarra) e de Maria de Azpilcueta y Xavier, única herdeira de duas famílias nobres de Navarra.
                Com sua mãe aprendeu a ler, escrever e os primeiros conhecimentos. Ingressou na Universidade de Paris (1525) e se graduou professor no Colégio de Santa Bárbara, em 1530. Completando estudos em filosofia, literatura e humanidades. É ainda aqui, que aprende a dominar as línguas francesa, italiana e alemã. Conheceu um Inácio de Loyola, um colega de estudos que marcou sua vida. Ajudando-lhe a descobrir sua vocação, ao repetir a frase bíblica “...de que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma?”  Mateus 16,26
                Em 1534, fez-se clérigo, com outros cinco colegas, na capela de Montmartre e professaram os três votos de pobreza, castidade e peregrinar á Terra Santa. Fundam a Companhia de Jesus, congregação religiosa destinada ao ensino, à conversão e à caridade. E pedem ao Papa que os reconheça oficialmente. Em 1537 Francisco de Xavier é ordenado padre.
                Saiu para a Índia, como Delegado Apostólico, em 1541, chega a Goa, em maio do ano seguinte. Ali inicia sua vida de missionário e tem que enfrentar as primeiras dificuldades de cultura, língua... Coube-lhe mendigar de porta em porta, junto com os leprosos.
                Trabalhar incansavelmente pela salvação de todos, dar-se generosamente a todos, esse são seus ideais missionários. Ele é o fundador das missões no Oriente. Atendeu, como missionário, aos portugueses nos navios da Índia, China e Japão; não fez distinção de pessoas, dedicou-se aos ricos e pobres, crianças e adultos. Esteve como missionário em Goa, Cabo Comorin Pesqueria, Cochin, Quilon, Travancor, Malaca, Amboima, Ilhas de Moro, Ternate, Kagoshima (Japão) e a Ilha de Sansão na Costa da China.
                São Francisco Xavier morre a 3 de dezembro de 1552, numa humilde esteira de vimes, abraçado ao crucifixo que o velho amigo Inácio, um dia, lhe tinha oferecido. Francisco Xavier foi beatificado pelo Papa Paulo V em 25 de outubro de 1619 e canonizado pelo Papa Gregório XV, a 12 de março de 1622. É o santo patrono dos missionários. Tendo como dia festivo, 3 de dezembro.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Leitura, o pesadelo do aluno patoense


                Hoje em dia na cidade de Patos, os estudantes de escola tanto pública como privada tem uma dificuldade enorme quando o assunto é a leitura. Sou estudante de ensino médio e embora seja vergonhoso admitir, essa é uma realidade cada vez mais transparente.
                Observo também que as crianças e adolescentes de hoje tem vários recursos nos estudos se compararmos com uma década atrás, que são livros, bibliotecas, transportes e principalmente a internet, que nada mais é que uma rede ligada a todo o mundo, trazendo inúmeras informações importantes e conhecimentos para o aluno. O mau uso da internet faz o estudante não usufruir desses recursos, usando com finalidades vagas e sem importância na aprendizagem, gerando a falta de interesse e de conhecimento do estudante.
                Eu vivencio esta realidade e sempre ouço relatos de amigos, familiares e até mesmo de meus pais, se lamentando de não terem levado a sério os estudos  e principalmente a leitura, e hoje tem dificuldades de ingressar no mercado de trabalho de nossa cidade.
                Em Patos a profissão de gari é preciso ter ensino médio completo, imagine outras profissões como advogado e medico, a leitura é algo crucial na educação, se não lermos frequentemente, teremos uma educação fraca e consequentemente acabaremos desempregados, como muitos estão hoje.
                Após pensar e refletir sobre meu futuro profissional percebi o mal que estava fazendo de não dar importância a is estudos e ter preguiça de ler, pois, alguém sem cultura, conhecimento e opinião não terá um emprego promissor e rentável nos dias de hoje.
                Concluo então que se o aluno não se conscientizar e continuar assim, irá se prejudicar futuramente. Temos que colocar a preguiça de lado e se preparar para a vida profissional, além do mais, a leitura é o pesadelo de uns e o futuro de outros.